Carta de princípios

Carta de princípios

1. A proposta de um Currículo Global da Economia Social Solidária emerge de algumas organizações da Red internacional de Educação e Economia Social Solidaria (REESS) e em seguida é abraçada por um número crescente de redes como a Red Intercontinental de Promoción de la Economia Social Solidaria(RIPESS), a Red Nacional de Investigadores e Educadores en Cooperativsmo e Economia Solidaria (RedCoop, México), o Fórum Nacional de Economia Solidaria (Brasil), a Universidade Popular dos Movimentos Sociais (UPMS) e Canadian Community Economic Development Network (CCEDNet), entre outros.


2. A Campanha por um Currículo Global da Economia Social Solidária desafia o sistema econômico capitalista dominante e enfrenta um pensamento que considerar como atividade econômica apenas aquelas que são remuneradas, onde  a produção de bens e serviços  reconhecidas como econômica são apenas as que envolvem transações no mercado monetário e poder de compra, naturalizando assim uma economia de mercado que reduz todas as trocas  a relações mercantis e uma  sociedade de mercado, que reduz todos os interesses a  interesses materiais e individuais.


3. A Campanha por um Currículo Global da Economia Social Solidaria tem como referência o Fórum Social Mundial, cuja primeira edição ocorreu em 2001, criando um cenário contra-hegemônico que desafia  as políticas neoliberais e promove lutas por Outro Mundo Possível.


4. A Campanha por um Currículo Global da Economia Social Solidaria propõe uma educação intercultural descolonizadora. Ela resgata os fundamentos da educação popular e promove um diálogo de saberes entre o conhecimento científico e humanístico e o   conhecimento popular tradicional, ancestral, urbano,  camponês, que  circula em todos os territórios.


5. Esta Campanha é respeitosa às diferentes propostas que, a nível mundial, também estão promovendo a construção de um Outro Mundo Possível e pretende complementar/fortalecer iniciativas globais que visam também a um desenvolvimento sócio econômico sustentável; e coloca em debate os marcos no qual  originou a Campanha.


6. A Campanha por um Currículo Global da Economia Social Solidaria afirma que apenas alterando o modelo dominante de desenvolvimento econômico a humanidade pode implementar a Agenda de 2030, para alcançar a paz desejada (16 ODS) e deter  os danos causados pelas alterações climáticas (ODS-13). Um novo modelo econômico, solidário e sustentável nos permitirá obter, entre outros, os seguintes objetivos de desenvolvimento sustentável: 1 – Acabar com a pobreza em todas as suas formas ao redor do mundo; 2 – Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar, melhorar a alimentação e para promover a agricultura sustentável; 3 – Garantir a saúde coletiva, uma vida saudável e promover o bem-estar para todas as idades; 5 – Alcançar a igualdade entre os sexos e capacitar todas as mulheres e meninas; 7 – Garantir o acesso à energia acessível, segura, sustentável e moderno para todos; 8 –  Promover um crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, o emprego pleno e produtivo e o trabalho digno para todos; 12 – Garantir  padrões sustentáveis de produção e consumo.


7. A base para a realização de todos os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)   é uma educação de qualidade (objetivo 4) que se desenvolve ao longo da vida em contextos formais e não-formal e que estimula a crítica do modelo atual de economia predatória e padrões insustentáveis de produção e consumo (objetivo 12), mas também promove e fortalece ações que representam alternativas para esse modelo.


8. Ao mesmo tempo, uma  educação inclusiva , de qualidade , equitativa,  que promove oportunidades de aprendizagem ao longo da vida (ODS 4) na verdade existirá somente se reforçarmos  que  outra economia é possível, a Economia  Social  Solidária .


9. Uma educação de qualidade exige um currículo que ultrapasse  os currículos das instituições de educação formal, para incluir os processos de educação popular, que são desenvolvidos na sociedade como um todo.


10. O Currículo Global da Economia  Social Solidária  reconhece que todos os sistemas de conhecimento do mundo são ciências e que a sabedoria dos povos nativos indígenas /camponeses  é ciência endógena, com sua própria epistemologia ou quadro teórico, o que implica que a forma em que o conhecimento é organizado, seus componentes de lógica teórica, seus paradigmas, sua gnoseologia e ontologia são diferentes.


11. O  Currículo Global  da Economia  Social  Solidária propõe uma interação da teoria e da prática realizada por organizações da sociedade civil do planeta, movimentos sociais, comunidades de povos indígenas, escolas e universidades, com base em um núcleo de princípios sócio-econômicos e práticas sustentáveis, adaptadas às diferentes necessidades que surgem nos territórios, levando em conta a diversidade das culturas existentes e costumes. O  está presente em milhares de experiências do mundo, envolvendo, por exemplo, soberania alimentar, com produção sem pesticidas de alimentos saudáveis, que geram respeito pela mãe terra e todos os seus ecossistemas em geral e combater a mudança climática.


12. O Currículo Global  da Economia  Social  Solidária estabelece as bases dos processos sociais de uma economia justa e equitativa, capaz de erradicar a pobreza material e espiritual.  Considerando a  educação como pilar da vida, garante a aprendizagem com base nas práticas de consumo ético, bem como formas de organização do trabalho, através de decisões compartilhadas e democráticas com distribuição igual dos resultados.


13. O Currículo Global da Economia Social Solidária  promove o conhecimento das energias renováveis, coloca no centro da economia a igualdade as mulheres  e o  desenvolvimento das cidades e comunidades  baseado no princípio do  de-crescimento econômico .


14. A proposta do Currículo Global da Economia Social Solidária incorpora organizações sociais, movimentos e comunidades em todos os continentes onde se realizam ações educativas para superar o modelo econômico que produz catástrofes sociais e ambientais em escala global. Muitas destas iniciativas são reconhecidas e apoiadas pela UNESCO, no contexto da Educação para a  Cidadania Global, tais como o Projeto Currículo Global (2010-2012), o Projeto “World Class Teacher “/ “Professor da sala de Aula Global,  (2013 e 2015), desenvolvido por organizações de sete países europeus e consultores especializados do Brasil e Benin ,  as ações de jovens líderes do Movimento Escoteiro na Europa , guiadas pelos princípios da cidadania e sustentabilidade global.


15. A  Campanha por um   Currículo Global da Economia Social Solidária  é implementada por uma multi coordenação de educadores, pesquisadores e ativistas de diferentes países,  que assumem a responsabilidade de promover e tornar visíveis  processos para o debate de políticas públicas em educação para uma Economia  Social Solidária .


16. A  Campanha por um   Currículo Global da Economia Social Solidária   quer mobilizar vontades e recursos para a construção de um Mapa Global de iniciativas educacionais para uma Economia  Social  Solidária realizadas em contextos formais, não formais e informais em todo o mundo; de uma plataforma virtual/site que permita o acesso a planos e programas de formação em Economia Social  Solidária , bem como a  ferramentas pedagógicas e materiais educativos produzidos  em todos os países por movimentos sociais, comunidades e organizações da sociedade civil, organizações governamentais, universidades e escolas.


17. O  Currículo Global da Economia Social Solidária visa promover políticas públicas em educação para uma Economia Social Solidária.